segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

PORTUGAL: TERRA DE UM POVO LIVRE!

Em tempos bem distantes, ainda antes da Era de Cristo, Nosso Senhor, numa época em que o grande Império Romano estava em expansão, com os Exércitos de César a marcharem sobre a Europa, incluindo a Península Ibérica, existia, no extremo ocidental, na costa Atlântica, numa terra chamada Lusitânia, um povo guerreiro, com origens celtas e iberas que resistiu durante anos às invasões e à submissão às Leis de Roma. Esse povo guerreiro, era liderado por Viriato, que conseguiu, por diversas vezes derrotar tropas romanas que tentavam invadir o território de seu povo. Até que um dia, dois amigos de Viriato, decidem oferecer seus serviços a Roma e, por troca de dinheiro, mataram o grande Líder. Só que, quando estes foram para receber sua recompensa, o General Romano, disse-lhes que “Roma não paga a traidores” e mandou-os executar. Viriato morreu e seu povo acabou por ser subjugado pelos Romanos.
No século V, depois de Cristo, o Império Romano do Ocidente cai e a Península Ibérica é ocupada por povos germânicos, nomeadamente os Suevos que ocupariam uma boa parte do territórios que hoje se situa entre a Galiza e o Minho e os Visigodos ocuparam o resto da Península. Com uma crise de sucessão sueva, os Visigodos tomaram a sua capital, Portuscale, e acabaram por unir sob a sua Coroa toda a Península Ibérica.
Mas a Herança Sueva manteve-se. Quando em 711, os Mouros invadem a Península Ibérica, os Suevo-Visigodos, irão se refugiar nas Astúrias e conseguem resistir nessas terras altas e frias às investidas muçulmanas e acabarão, por contra-atacar ao longo dos séculos seguintes até que já no século XI, metade da Península Ibérica já era de novo, ocupada pelos descendentes dos povos Suevos e Visigodos, Cristão convertidos anteriormente, e criaram os novos Reinos de Leão, Castela, Navarra, Aragão e obviamente, Portugal que antes da formação do Condado Portucalense, já tinha nobres com ascendência Sueva e Visigótica que se juntaram ao Conde Dom Henrique, de origem Francesa, que se casou com Dona Teresa, filha Bastarda do Rei Afonso VI de Leão e Castela, e que procuraram junto dele, recuperar a velha Coroa Sueva que tinha sido tomada pelos Visigodos séculos antes.
Tal não se sucedeu com o Conde Dom Henrique, mas sim com o seu filho Dom Afonso Henriques, que graças aos seu grande espírito guerreiro, porá em prática as ideias de Seu Pai, e fundará o Reino de Portugal, nosso País.
A partir desse momento, Dom Afonso Henriques, enquanto Rei dos Portugueses, nunca pagou nenhuma tensa aos seus primos de Leão e Castela, porque efectivamente, o que ele sempre pretendeu, foi ser Rei Independente e Livre, numa Terra Livre, de Gente Livre.
Deste tempo, através dos princípios da nossa História – Pátria, surge o Pacto entre a Coroa e o Reino. Nenhum Rei subiria ao Trono sem ser Aclamado, isto é, sem ser eleito e confirmado por uma Assembleia. Inicialmente, até Dom Afonso III, as Cortes eram representadas apenas pela Realeza, a Nobreza e o Clero, mas este Rei, que veio de Bolonha para substituir o incapaz de seu irmão Dom Sancho II, que tinha sido excomungado pelo Papa, determinou, nas Cortes de Leiria de 1215 que os Concelhos, seriam representados, isto é, o Povo passava a ter os seus representantes nas Cortes, e assim foi até 1688, ano que Dom Pedro II decidiu já não ser preciso reunir Cortes para que um Rei suceda a outro. Contudo, desde a aclamação de Dom João V até ao Liberalismo Monárquico, os Reis foram sempre aclamados junto dos representantes de todo o Reino – Clero, Nobreza e Concelhos (Povo).
O Povo Livre, sempre quis ser independente do Reino de Espanha (anteriormente, Leão e Castela …), foi assim, ao aclamar Regedor e Defensor do Reino o Mestre de Avis, Dom João, que passaria a ser Rei de Portugal, como Dom João I.
Foi o povo que se juntou ao Prior do Crato, Dom António I, aclamado em Santarém que lutou com bravura no Vale de Alcântara, contra o Duque de Alba, acabando por perder a batalha, mas o sentimento de querer ser livre, manteve-se sempre vivo durante os 60 anos de domínio espanhol.
Foi o povo, que se juntou aos 40 Conjurados que derrubaram o poder espanhol em Lisboa e no Reino, participando patrioticamente, diria, na luta pela liberdade do Reino, aclamando Dom João IV como seu Rei.
Foi o povo, que se juntou ao Infante Dom Pedro, para derrubar o Rei Dom Afonso VI, e selar a Paz de uma Guerra da Restauração que estava a esgotar todo o Reino e Dom Pedro assinou a Paz com a Espanha em 1668.
Foi o povo, que mais uma vez se uniu, contra as invasões napoleónicas, juntando-se aos nossos heróis nacionais que acabariam por liderar a revolução Liberal de 1820, lutando pela Constituição e o Estado de Direito que Portugal acabaria por ser apenas 14 anos depois e com total consolidação, a partir de meados do século XIX.
Foi o povo, que se uniu, entregando seus dinheiros e jóias, para financiar uma possível guerra com a Grã-Bretanha por ocasião do Ultimatum de 1890.
Foi o povo, que nos anos da agonia da Monarquia, esteve sempre do lado dos seus Reis.
Não foi o povo que proclamou a República, mas sim um bando de traidores à Pátria, que nunca perceberam nada da História do seu Povo, matando o Rei e o Príncipe Real e impondo um regime anárquico e ditatorial, seja na I República, seja na II República e na III República. As falsas expectativas criadas pelos diversos golpes militares, regimes políticos republicanos, autoritários, militares, guerras inúteis levaram ao actual estado da Nação.
Viriato foi o nosso Primeiro Grande Líder, nesta terra de Liberdade.
Dom Afonso Henriques e seus descendentes perceberam que desde o início devíamos ser um Povo Livre e Independente.
Nós somos livres e o nosso Rei é livre.
Nós somos livres, pela Lei consagrada numa Constituição. E o Rei é Livre, pois não depende de ninguém a não ser de si próprio para prover ao bem do Reino, garantindo a Paz Interna, a Democracia e as Liberdades e Garantias do seu Povo; nós todos, Portugueses, Lusitanos!Em todos os momentos da História da “Lusitania antiga Liberdade” – como lhe chamou o Grande Camões, o Povo fez-se ouvir e clamou sempre pela sua Liberdade.
Foi a República que lhe tirou a Liberdade impondo modelos políticos estrangeiros, afrancesados que nada correspondem às ânsias do Povo.
Devemos nos concentrar naquilo que fomos e no que nos tornámos.
Façamos ouvir a nossa Voz. Erguêmo-nos uns após os outros, até que de cordeiros, passemos a ter vozes de leões e impugnemos a nossa vontade junto de quem nos enganou, aclamando o nosso Rei, nosso Líder, Dom Duarte de Bragança, Herdeiro dos Nossos Maiores.
Viva o Rei! Viva Portugal!

domingo, 27 de fevereiro de 2011

UM PEQUENO ALMOÇO DE PRIMOS NA YORK HOUSE, EM LISBOA

Encontra-se de passagem por Lisboa, S.A.I.R., Dom Bertrand de Orleans e Bragança, Príncipe Imperial do Brasil. É o terceiro dos doze filhos do Príncipe Dom Pedro Henrique de Orleans e Bragança.
A Família Imperial do Brasil descende da filha mais velha do último Imperador do Brasil, Dom Pedro II (filho de Dom Pedro IV de Portugal e I do Brasil. Foi casada com Dom Gastão d'Orleans, neto de Luís Filipe, Rei dos franceses. Era avó de S.A.R., Dona Maria Francisca, mãe de S.A.R., Dom Duarte Pio de Bragança.
Facebook - 27-02-2012

UM ESPAÇO DEDICADO À ARISTOCRACIA PORTUGUESA

(Clique na imagem para ampliar)

FOI MÁGICO!

Saio de casa a correr e levo a minha bandeira azul e branca , não quero chegar atrasado … O ponto de encontro era junto à placa que assinala o local onde tragicamente foram assassinados S.M., El-Rei Dom Carlos e Príncipe Real, S.A., Dom Luís Filipe. Para minha surpresa quando lá chego, não se encontrava uma única pessoa e faltavam cinco minutos para a hora marcada … Para mal de meus pecados, esqueci-me do nome da Igreja, tentei ligar para amigos mas ninguém me respondeu, desloquei-me às Igrejas mais próximas e …nada.
Subi a rua em direcção aos Armazéns do Chiado e foi quando me lembrei de passar pela Igreja que fica perto da Real Associação de Lisboa .. o destino não me deixou ficar mal pois era ali a evocação do regicídio!
Entro na igreja que estava cheia e aquecida, não havia um lugar para me sentar …Fiquei lá atrás a assistir à missa, até que chegou o momento de comungar. Desloco-me lentamente em direcção ao altar. As pessoas estavam geralmente muito bem vestidas, menos eu que estava com a roupa do dia a dia.
Vi cavalheiros com grandes bigodes como se os tivessem escovado antes de sair de casa As senhoras também não fugiram à regra … Algumas com véu e vestidos compridos … Do lado esquerdo estava uma senhora que canta melhor ainda que os músicos .. Quando finalmente vou comungar vejo S.A.R., Dom Duarte do lado direito e S.A.R., Dona Isabel … Disfarcei a alegria olhando em frente e finalmente comunguei.
Após comungar retorno ao meu lugar pelo lado esquerdo indo de seguida para o lado direito da igreja ficando mais ou menos a meio, Olhando para o lado esquerdo, vejo uma senhora que me faz um gesto. Era Maria Menezes a quem fui cumprimentar logo e de seguida, veio José Tomaz e o Duarte Calado que também me cumprimentaram já a missa tinha terminado e o casal Real deslocou-se a uma sala onde todos os pudemos cumprimentar.
Já na sala deixámos primeiro aqueles que são os amigos mais chegados da Família Real cumprimentar o casal, Eu estava tão nervoso que quando chegou a minha vez não sabia o que dizer.
José Tomaz disse a Dom Duarte e a Dona Isabel que eu era o criador de um grupo na net e para minha surpresa Dom Duarte deu-me os parabéns pelo grupo que estava muito bom e que costuma acompanhar! Eu não queria acreditar parecia estar num sonho!
Permaneci na sala onde José Tomaz me continua a apresentar pessoas como a deputada municipal Aline Hall que eu tive o prazer de conhecer e ali permaneci na companhia de pessoas de alto valor para a Causa! Devo agradecer a todos os membros do grupo Monárquicos Portugueses Unidos em especial por colaborarem no seu perfeito funcionamento!
Filipe Cardeal, 1 de Fevereiro de 2011
Monárquicos Portugueses Unidos, - Facebook

sábado, 26 de fevereiro de 2011

SONHOS E REALIDADES NA REVOLTA ÁRABE

A situação política nos países árabes da margem sul do mediterrâneo é explosiva: para os seus governos, quase todos ditaduras, para os seus povos, que sofrem uma nova onda de violência da repressão, para o equilíbrio geo-estratégico da região, já anteriormente periclitante, para Israel que se vê cada vez mais isolado e ameaçado, para a Europa e os EUA, uns vizinhos, outros aliados de regimes que agora se desmoronam como baralho de cartas, desde sempre viciadas.
Na Europa, e também nisso somos muito europeus, alguns políticos e a comunicação social praticamente toda, embandeiraram em arco com a revolta dos povos contra os seus governos, dizendo que clamam pela democracia e pela liberdade e que se revêem no modelo ocidental, que lhes vai chegando pela internet, pelas redes sociais e pelos mais modernos meios de comunicação, como os telefones portáteis, que usaram para convocar as manifestações pacíficas que, depois, degeneraram em violentas, depois da violência dos poderes ameaçados no seu combate. Apressada asserção, julgo eu. Esquecem-se ou ignoram ou querem fazer valer os seus ideais e valores sobre a realidade, que o fundamentalismo islâmico está em muitos casos visível por detrás da justa revolta dos povos oprimidos e que sem essa opressão – quer seja de chiitas sobre sunitas, quer seja laica - têm o campo aberto para impor regimes teocráticos. Não aprenderam nada com o derrube da monarquia persa, que não sendo um regime democrático de modelo ocidental era bem mais democrático e ocidental do que o dos ayatollhas que se lhe seguiu, com o aplauso geral e o apoio, mais ou menos disfarçado, de França e EUA.
É evidente que as ditaduras nesses países é, aos meus olhos de democrata ocidental, intolerável. É evidente, também, que o apoio dos países europeus e dos EUA a esses regimes por razões estratégicas e a sua condenação, agora, pelas mesmíssimas razões e na esperança de que o que se lhe seguir não se volte contra eles, é igualmente intolerável. Como também é intolerável que se não procure ver e compreender que, neste caso concreto, como noutros de outras latitudes, o modelo de democracia ocidental não é exportável para aplicação imediata, que há que contar com a cultura dos seus povos, com o percurso histórico que, devido a vários factores, entre os quais os religiosos, têm vindo a percorrer e que querer impor um modelo político – por mais desejável que aos nossos olhos seja – é um erro crasso que custará ao Ocidente mais do que muitos, porque irrealistas, poderão supor.
É curioso, nesta revolta que grassa nos países árabes, constatar que todas essas abomináveis ditaduras substituíram monarquias com o beneplácito ocidental, em nome da liberdade que nunca veio a existir depois e que, nas monarquias árabes, com excepção do Barhein e da Arábia Saudita (onde ainda não se registaram movimentos de revolta) e que são monarquias absolutas, as reivindicações não tiveram como objecto os regimes, mas os governos e as suas políticas, salvaguardando a figura dos seus reis. Se o Ocidente não quiser meter a cabeça na areia, especialmente os EUA que sempre apoiaram o derrube das monarquias com a única excepção do Japão e que é na Ásia a única democracia moderna, e não conseguir perceber o seu significado, esperemos que em nome da utopia não assistamos ao fim das monarquias jordana e marroquina e ao início de regimes teocráticos islâmicos, sem liberdade e uma terrível ameaça para o Ocidente e sobretudo para a Europa aqui tão perto.
Confundir os desejos e as ideologias – por mais belos e justos que possam parecer – com as realidades, é um erro que se paga caro.
João Mattos e Silva *
* Nota: o texto publicado é da exclusiva responsabilidade do autor.
Texto publicado no Diário Digital a 23-Fev-2011
q u i n t a - f e i r a . c o m
http://www.monarquia-online.co.pt/
A MONARQUIA EM PORTUGUÊS NA INTERNET

OS DIAS DA «REVOLTA DOS BISPOS»

Documento, divulgado em finais de Fevereiro de 1911, contestava medidas «anticatólicas» e a perseguição às instituições católicas.Os Bispos católicos de Portugal escolheram o final de Fevereiro de 1911 para reagir às medidas tomadas desde a implantação da República, a 5 de Outubro do ano anterior, que consideravam de “feição não só acatólica, mas anticatólica”.
A «Pastoral Collectiva» do episcopado (na altura ainda não existia Conferência Episcopal) tinha data de 24 de Dezembro de 1910, mas só a 22 de Fevereiro de 1911 os bispos se decidiram pela sua leitura pública, nas missas dos domingos seguintes, sem prévia autorização do Governo, o que acabou por ser impedido, em muitos casos, pelo poder civil.
No documento, os bispos assinalam, em tom crítico, que o novo regime “proscreveu a Companhia de Jesus e extinguiu todas as demais ordens e consagrações religiosas” aboliu o “juramento religioso”, suprimiu “a observância de muitos dias santos de preceito” e “proibiu o ensino da doutrina cristã” nas escolas oficiais - suprimindo ainda a Faculdade de Teologia da Universidade de Coimbra - e facultou o divórcio.
“Como complemento e remate desta obra de hostilidade ao Catolicismo, virá, talvez, - corno muito é de recear, - vibrar-lhe mais fundo e dilacerante golpe a anunciada lei da separação entre o Estado e a Igreja”, alertavam, então, o Patriarca de Lisboa, os Arcebispos e Bispos “do Continente de Portugal”.
A carta foi redigida na sua forma definitiva por D. Augusto Eduardo Nunes (1849-1920), Arcebispo de Évora, mas o Governo Provisório procurou evitar a sua divulgação recorrendo à não concessão do tradicional beneplácito.
O Pispo do Porto, D. António Barroso (1854-1918), acabaria por ser destituído das suas funções por não ter acatado esta decisão governamental.
“O Catolicismo não é só repelido, como importuno estorvo à marcha das gerações novas em demanda dos novos ideais: é vexado, é perseguido; e de futuro, segundo a fácil previsão que os acontecimentos autorizam, irá recrudescendo a perseguição”, pode ler-se na Pastoral Colectiva.
O texto refere a existência de 5,41 milhões de católicos em 5,42 milhões de habitantes, partindo do censo de 1900 como justificação para a recusa de quaisquer medidas laicizadoras.
Esta Pastoral foi, segundo o historiador António Matos Ferreira, “um protesto formal às medidas do Governo”, onde os Bispos “reiteram o respeito pelo novo regime instituído”, mas informam que “os católicos não podiam cooperar com quem hostilizasse o catolicismo”.
“Apelam ainda ao compromisso dos católicos no favorecimento da causa da Igreja, e pedem um empenhamento de esforços na remoção da legislação contra a causa da religião”, escreve o especialista do Centro de Estudos de História Religiosa da UCP, na edição especial com que a Agência ECCLESIA assinalou o centenário da república.
As medidas anticlericais tomadas pelo Governo Provisório viriam a agudizar-se com a publicação da Lei da Separação, a 20 de Abril de 1911.
D. Manuel Clemente, Bispo do Porto e historiador, lembrou, em conferência proferida na última semana, que a Igreja apresentou “resistência” perante este novo enquadramento legal da religião organizada, “com as consequentes desavenças entre o Governo e o Episcopado”.
Em Maio de 1911, seria o Papa Pio X a assinar a encíclica «Iandundum», na qual condenava a “inacreditável série de excessos e crimes que foram levados a cabo em Portugal, para opressão da Igreja”.
OC - Lisboa, 23 Fev (Ecclesia) –
Agência Ecclésia

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

S.A.R., DOM DUARTE - DESCOLONIZAÇÃO: TANTOS OS PROBLEMAS QUANTO OS TERRITÓRIOS (I)

- Falámos múltiplas vezes até agora da Nação intemporal, da História da tradição. Como é que sente estas realidades quando pensa nos países de língua portuguesa, que indiscutivelmente fizeram parte da nossa História e com os quais se mantêm grandes afinidades culturais a começar pela fortíssima afinidade da língua? – Já referi o assunto antes. O “Império” autoritário, em que os “reinóis” mandam e desmandam nos outros... passou. Teve também aspectos gloriosíssimos! (Tanto assim que estamos em plena comemoração dos Descobrimentos, dos quais os primeiros tempos do Império são indissociáveis). Mas a História levou-o. Agora, de um Portugal grande, que fosse de todos e que cada vez deveria ser mais partilhado, fraterno, igualitário, livre... desse projecto... do fracasso desse projecto, ficou uma “mágoa sem remédio”, para usar as palavras de Camões.
Engolido na luta feroz entre os super impérios mundiais e submerso em banhos de sangue e sofrimento indiscritíveis, quem não sente que o seu desaparecimento rasgou irremediavelmente um pedaço do nosso coração? A nossa acção colonial teve atrasos, injustiças, erros graves (e muito graves). E estes encontram-se em todos os séculos, é claro! (Estou a lembrar-me, por exemplo, da verdadeira catástrofe que representou a expulsão dos Jesuítas pelo Marquês de Pombal, medida que praticamente aniquilou o ensino de todos os níveis em todo o espaço português!). Apesar de tudo isso quase conseguimos manter o rumo de uma aliança humana e antiga entre “povos fracos” e, no fundo, amigos e irmãos, serem problemas de raça... Falhámos por um pouco. Acho que a fraternidade e a tolerância ficaram mais pobres, num mundo infelizmente delas tão carecido!
- Conhece bem as antigas colónias? – Conheço razoavelmente esses países. Alguns esquecem que fui a África integrado na Força Aérea e mais tarde, como civil, colaborei em programas de “Extensão rural”. Não o fiz com espírito fechado e radical. O tempo que passei em África correspondeu a uma meditação e uma constante preocupação com o problema que (sentia profundamente) do futuro da relação entre Portugal e os territórios de além-mar. Como se poderia desatar aquele nó que parecia cego? É indiscutível que a aliança de Portugal com aqueles povos estava sendimentada em séculos de convivência. Convivência com defeitos, repito, mas que, apesar de tudo, tinha levado àquelas partes do mundo algum acréscimo de civilização e de bem-estar material (embora muitas vezes insuficiente) e, porque não dizê-lo, de justiça. As injustiças da colonização portuguesa eram, apesar de tudo, menores do que as injustiças dos tempos em que, sem os portugueses presentes, as tribos locais se enfrentavam nas mais cruéis e sanguinárias guerras e matanças. Isto pode “soar mal” a muitos ouvidos... Mas corresponde a uma minha profunda convicção, que declaro sem complexos. Por outro lado a descolonização pura e simples, a retirada portuguesa “sem mais”, parecia-me que, inevitavelmente, conduziria a banhos de sangue e desastres sem nome. E as pessoas com quem falava, os contactos que ía fazendo, permitiriam-me perceber que era falsa a ideia de que nas guerras africanas se afrontavam pura e simplesmente a direita portuguesa e o comunismo internacional. Não há dúvida de que eram essas duas forças os grande motores da luta. Mas chamava-me muito a atenção a existência de outras, de outros agrupamentos de pessoas, de grupos que seriam o embrião de partidos que apontando, decerto, para a auto-determinação e, nalguns casos, para a independência, tinham posições intermédias, conciliatórias, não totalitárias, abertas à obra dos portugueses, não anti-portuguesas em suma. Era absolutamente necessário promover com urgência esses grupos, essas correntes para que se pudesse sair pouco a pouco da crispação da guerra para a descripação da paz.
- Mas que forma poderia revestir uma ligação final de Portugal a estes territórios? – Sou dos que pensam que houve em Portugal, além de outros, um erro fundamental no que respeita ao Ultramar: foi o de considerar “o problema ultramarino” como único e indivisível. Ora acho que, pelo contrário, haviam tantos problemas quanto os territórios do Ultramar! Havia que resolver caso por caso, sem se considerar (como foram a doutrina e a política oficial), que a “negociação” como o “adversário” numa frente de guerra destruíria moral e politicamente os fundamentos da posição portuguesa e até a sua capacidade de lutar noutros territórios. Posso, é evidente, estar enganado. Mas, desde muito novo acreditei que era necessário resolver cada passo por si. E, note, sempre pensei que haveria que encontrar soluções específicas, até dentro das grandes unidades geopolíticas. Ainda hoje pergunto, porque é que Cabinda, que tem uma cultura própria bastante avançada, específica, e uma consciência nacional das mais apuradas que há em África, porque é que Cabinda e os cabindas haviam de ser um mero distrito de Angola? E outros exemplos se poderiam encontrar: a ideia de considerar que a Guiné e Cabo Verde constituiam “um todo”, era por tal forma contrária às realidades que não resistiu à pressão das mesmas! Nesse período da minha juventude passado em Angola, no serviço militar, procurei cumprir da forma mais correcta que me foi possível, não deixei de me preocupar continuadamente com uma perspectiva ampla que não passava manifestamente pela ideia de uma vitória militar a todo o custo.
- Então passava por onde? Nem a vitória militar... nem descolonização imediata...  Passava acima de tudo e antes de mais, por defenir claramente programas e horizontes caso por caso. Programas e horizontes abertos ao mais largo debate. Em Portugal. No Ultramar. Com os nossos aliados. Com as Forças Armadas! Tudo se deveria ter feito para impedir a ruptura militar! Horizontes e debates que se inserissem, é certo, nas perspectivas da auto-determinação mas sem nunca se perder de vista a grande tradição portuguesa de integração, de miscigenação, de abertura entre os povos, da criação de laços multi-raciais, do anti-racismo, e de uma caminhada (repito) que muitas vezes lenta e imperfeita!) para degraus sucessivamente superiores de maior civilização e de maior justiça. Muitos conhecem as circunstâncias em que saí de Angola. Com cortesia, o governo a que presidia Marcelo Caetano expulsou-me. É preciso dizer que eu promovi a oranização de uma lista alternativa às eleições para a Assembleia Nacional portuguesa, que reunia portugueses de várias raças e opiniões. Na maioria eram africanos, e todos eram favoráveis a uma evolução para a democracia e a uma maior justiça social, nunca pondo em causa a sua nacionalidade portuguesa. A médio prazo propunham o estatuto federal para o conjunto dos territórios portugueses de então (até admitindo uma capital federal em Nova Lisboa). Saí de Angola sob uma pressão a que não podia resistir. O meu Pai ainda era vivo. Tentou invocar o direito que eu tinha, como qualquer outra pessoa, de trocar ideias, de falar com as pessoas contra as quais não havia, em princípio, qualquer acusação. Mas foi tudo em vão. Tive de regressar. Deixei todavia lá uma parte pequena mas muito importante da minha juventude. Fiquei muito ligado sentimentalmente a amigos, a companheiros, a pessoas com os mesmos ideais.
(Extensão Rural - Angola)
- E mesmo depois das independências, os países agora chamados de língua oficial portuguesa nunca saíram do centro das suas atenções? – Pura verdade. É pública e notória a preocupação que tenho com Timor. Mas noutros países (designadamente em Moçambique e em Cabo Verde), tenho mantido continuamente contactos e penso que não sou mal recebido em nenhum deles. A propósito conto-lhe um detalhe curioso, não conhecido do público. Recentemente recebemos da Fundação Dom Manuel II uma pequena instituição de solidariedade social que foi criada pela última Rainha de Portugal, Dona Augusta Victória, e de que o Duque de Bragança é, por inerência, o Presidente), um pedido do Presidente do Município da cidade da Beira, em Moçambique. Dizia ter descoberto que a cidade se chamava “Beira” em homenagem ao Príncipe da Beira, Dom Luiz Filipe, que tinha visitado aquando da sua conhecida visita aos territórios do Ultramar. E, assim sendo, fazia um pedido à Fundação Dom Manuel II... É capaz de adivinhar qual?
- Pedia um subsídio, uma biblioteca, uma bolsa de estudos...? - Não. Pedia um retrato do Príncipe da Beira, Dom Luiz Filipe, que tinha dado o nome à cidade. Não lhe posso ocultar que entre mim e os meus colaboradores na Fundação Dom Manuel II, esse pedido fez passar um momento de emoção...
- Mas as suas intervenções mais espectaculares, se assim posso dizer, têm-se reportado sobretudo a Timor? – Sem dúvida. Há quem diga que a situação a que Timor chegou é da responsabilidade de Portugal. Que o governo de Lisboa mandou a nossa tropa e a nossa administração sair, numa tentativa para entregar Timor a um partido de tendência marxista. Que na sequência dessa nossa retirada, os indonésios não toleraram a perspectiva de um enclave pro-marxista no seu território. Que por isso, invadiram. Os culpados de tudo seríamos nós. Não teríamos por tanto, o direito de dizer nada e devíamos, pelo contrário, mantermo-nos envergonhadamente calados. Não penso assim. Se um governo em Portugal cometeu quanto a Timor um erro (e acho que efectivamente, cometeu um crime), isso não significa que os portugueses tenham sempre ficado obrigados a calar-se sobre a matéria. Assiste ao povo de Timor, como as Nações Unidas já reconheceram, inquestionável direito à autodeterminação. Tenho-me batido sistematicamente, e na modesta dimensão das minhas possibilidades, para que esse direito possa ser exercido. Pessoalmente estou convencido de que podendo autodeterminar-se, existiria uma possibilidade de os timorenses optarem por manter uma ou outra forma de ligação a Portugal. Como sabe, as grandes potências coloniais de outrora, mesmo depois da descolonização, continuaram a administrar (sublinho: por vontade das próprias populações), múltiplos territórios através do mundo. Lembre-se do ministério francês popularmente chamado "dos Dom-Tom", (abreviatura das expressões "Départment d'Outre Mer/Territoires d'Putre Mer").
- Acha que, se a descolonização o tivesse permitido, poderia hver hoje "Dom-Tom's" portugueses? - Pelo menos nos territórios onde não havia guerra, a auto-determinação poderia ter conduzido a soluções de articulação com Portugal (como aconteceu com tantos outros ainda sob administração francesa, americana, holandesa, etc.). Acho que quanto a este ponto se reflecte, de novo, a circunstância de se ter tratado do problema do Ultramar como "um todo", sem ter havido a subtileza de se entender (antes ou depois da evolução), que cada território merecia uma consideração calma, ponderada e específica. A construção encontrada para os Açores e para a Madeira, que são Regiões Autónomas com órgãos políticos e administrativos próprios dentro da unidade nacional, poderia porventura, ter sido aceite pelo povo de Cabo Verde? Certamento pelo de Timor? Quem sabe se pelo de Cabinda (se tivesse havido a coragem de considerar Cabinda como entidade diferente de Angola)? Enfim, sobre a descolonização também se tem falado "milhares de horas" e nem eu tenho opiniões particularmente originais. As que aqui manifesto correspondem apenas a uma síntese. São sinceras e estaria pronto a debatê-las em qualquer instância. Acrescento apenas que a Monarquia poderia ajudar, certamente, a manter um "Comonwealth" à portuguesa que (muito mais pequeno do que o inglês, aliás hoje com problemas de coesão), se poderia aproximar mais da situação que existe na Holanda: territórios pequenos, dotados de graus amplíssimos de autonomia, continuam a ter como Rainha, a Rainha da Holanda, mantendo-se assim uma ligação profunda àquilo que foi a fonte de uma parte importante da sua civilização e da sua cultura.
- Gostava de lhe falar de novo sobre aspectos da sua educação. À medida que o tenho ouvido, ao longo destas conversas, muitas vezes tenho pensado que não há nada de comum ou quase nada, entre a ideia que muitos fazem de um rapazinho educado em Coimbra por homens predominantemente virados para o passado e esta pessoa lúcida, moderna e aberta que está na minha frente. A sua educação foi realmente uma educação reaccionária? E se foi como é que evoluiu?  A minha educação não foi uma educação reaccionária! Foi uma educação em que entraram vários factores, dos quais assinalo os principais. Primeiro, o profundo portuguesismo e o bom senso dos meus Pais. Dir-me-ão que o meu Pai tinha sido educado na Áustria e que a minha Mãe era brasileira. Não há dúvida. Em nada, todavia o portuguesismo dos descendentes de Dom Miguel foi alterado, pela circustância de terem vivido no exílio... (Note que os portugueses da emigração são geralmente os mais patriotas! Quanto mais os que foram vítimas de tão injusto exílio!). Por outro lado, o meu Pai era um homem de grande bom senso. Devo-lhe uma "educação de bom senso" que me foi preciosa. A minha educação passou pelo Colégio Militar e pelos Jesuítas (Santo Tirso). Duas grandes instituições cujas escolas de formação de carácter e pensamento me marcaram. A ideia de que vivia em S. Marcos rodeado de professores monárquicos é uma fantasia posta a correr por algumas pessoas! Conversei, sim, com muitas das grandes figuras do pensamento monárquico da minha juventude. (Lembro, designadamente e entre outros, verdadeiros amigos como o Prof. Pacheco de Amorim e o Dr. Henrique Ruas...). Aprendi a ler os autores monárquicos e integralistas. Li, toda a vida, muitíssimo. E pude reflectir, exercitar ao longo dos anos o espírito crítico, chegar à minhas próprias conclusões.
Do livro, Conversas com o Duque de Bragança, de Manuela Gonzaga - "O passado de Portugal no seu futuro" (1995)

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

EXPOSIÇÃO "DONA AMÉLIA E DOM MANUEL II-OS ÚLTIMOS REIS DE PORTUGAL" NA BIBLIOTECA MUNICIPAL DE PONTA DELGADA

A Biblioteca Municipal de Ponta Delgada vai receber, a partir de quinta-feira, 24 de Fevereiro, a exposição “D. Amélia e D. Manuel II – Os Últimos Reis de Portugal”. Esta exposição, que será inaugurada pelas 18h30 de quinta-feira e estará patente ao público até 11 de Março, é uma produção e realização da Associação Cultural “Mnesis 9”, em parceria com a Câmara de Ponta Delgada, através da Biblioteca Municipal.
Incluindo um total de 18 fotografias relativas às várias etapas da vida dos últimos Reis portugueses, a mostra de faz parte do programa anual de actividades da Biblioteca Municipal de Ponta Delgada., pode ser visitada de segunda a sexta-feira entre as 10h00 e as 18h00. A última Rainha de Portugal, de seu nome Maria Amélia Luísa Helena de Bourbon Orléans e Bragança, nasceu em Inglaterra, a 28 de Setembro de 1865 e morreu em França, 25 de Outubro de 1951. Era filha dos condes de Paris e casou com Dom Carlos em 1886. Como Rainha de Portugal, desenvolveu uma notável actividade no campo da assistência, criando, em 1899, a Assistência aos Tuberculosos e, em 1905, o Museu dos Coches. Em 1908, em plena crise política, a Família Real foi alvo de um atentado na Praça do Comércio, em Lisboa, quando regressava de Vila Viçosa. O Rei Dom Carlos e o Príncipe Herdeiro, Dom Luís Filipe, morreram em consequência desse atentado. Dom Manuel ficou ferido sem gravidade e apenas a Rainha saiu ilesa desse atentado. Aquando da revolução de 5 de Outubro de 1910, Dona Amélia encontrava-se no Palácio da Pena, mas foi juntar-se ao filho, D. Manuel II, em Mafra, acompanhando-o, depois, no exílio, em Gibraltar e em Inglaterra. Dom Manuel II nasceu em Lisboa e morreu em Inglaterra. Foi o último monarca de Portugal (1908-1910. Nasceu no Palácio de Belém, a 19 de Março de 1889, recebeu o nome de Manuel Maria Filipe Carlos Amélio Luís Miguel Rafael Gonzaga Xavier Francisco de Assis Eugénio e morreu em Twickenham, Inglaterra, a 2 de Julho de 1932. Ao longo do seu reinado, Dom Manuel II procurou sempre ir ao encontro das reivindicações operárias. Chamou, inclusivamente, Léon Poinsard para estudar as possibilidades de uma reforma das condições económicas e sociais do país. Em matéria de política externa procurou estabelecer boas relações com a Espanha e  Inglaterra. No entanto, a 3 de Outubro de 1910 rebentou a revolta republicana em Lisboa que triunfou em 5 do mesmo mês. Dom Manuel exilou-se, então, em Plymouth, mas manteve-se sempre interessado pela política de Portugal, defendendo, na altura, a entrada do país, ao lado dos aliados, na primeira guerra mundial. Pelo Gab. Imp. CMPD

AS LIGAÇÕES DA RAINHA DONA AMÉLIA AO PINHAL NOVO

Jornal do Pinhal Novo, 22-02-2011
(Clique na imagens para ampliar)

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

D. XIMENES BELO DISTINGUIDO PERSONALIDADE LUSÓFONA DO ANO

O Bispo D. Ximenes Belo recebeu na segunda feira, 21, o Prémio Personalidade Lusófona do Ano (2010), no decorrer de uma cerimónia que teve lugar na Academia das Ciências de Lisboa, iniciativa do MIL – Movimento Internacional Lusófono e daquela instituição. Foi o próprio Prof Dr. Adriano Moreira, vice presidente da Academia, que entregou o Prémio a D. Ximenes Belo, relevando o respeito e gratidão que sentia pelas “pessoas que lutaram em Timor, que sofreram, cada um colocando a pequena pedra com que se constrói a grande História”.
“Entre essa pessoas conta-se D. Ximenes Belo”, sublinhou Adriano Moreira, recordando a forma calorosa como o Bispo de Timor foi recebido em Lisboa, num ambiente de grande triunfo após o conflito com a Indonésia, sublinhando o facto de em Timor, a “opção pela língua portuguesa ser uma defesa da identidade”, não deixando de destacar o contributo do Bispo de Timor para se atingir esse desiderato.
Renato Epifânio, presidente da direcção do MIL, explicou os motivos que levaram a distinguir tão ilustre personalidade do mundo lusófono:”Não o fazemos por razões religiosas, já que o MIL não está ligado a nenhuma Igreja, como a nenhum partido político. Fazemo-lo porque D. Ximenes Belo é, decerto, uma das figuras que melhor personifica o próprio povo timorense – na sua resistência à ocupação indonésia e na consequente libertação”.
“Com efeito, a par da resistência armada, a Igreja timorense foi o grande esteio da resistência espiritual e cultural a essa mesma ocupação indonésia, a grande responsável por Timor-Leste ter permanecido um país lusófono (…) uma dessas vozes, porventura, a mais audível, foi, decerto, a do Bispo D. Carlos Ximenes Belo”, acrescentou o responsável do Movimento Internacional Lusófono, lembrando no seu discurso o facto de que, apesar de Portugal ter deixado o seu antigo território abandonado à sua sorte, não o defendendo devidamente face à ocupação indonésia, o povo de Timor Leste quis permanecer no espaço lusófono.” Também por isso homenageamos o Bispo de Timor e, na sua pessoa, todo o Povo Timorense”, acentuou Renato Epifânio.
Agradecendo visivelmente emocionado a homenagem, D. Ximenes Belo diz ter recebido o Prémio como “um compromisso de trabalho em prol da Lusofonia”, saudando e apoiando os esforços feitos em prol das comunidades falantes da língua portuguesa”, frisando que a “lusofonia não se esgota na língua portuguesa mas no uso desta como factor de aproximação entre os vários países da mesma comunidade”.
A Embaixadora de Timor Leste em Lisboa, Natália Carrascalão e S.A.R., Dom Duarte de Bragança, foram algumas das personalidades presentes nesta sessão que dignificou um dos princípios que levaram à criação do MIL - a defesa do reforço dos laços entre os países lusófonos, numa base de liberdade e fraternidade .Ou seja, a criação de uma verdadeira comunidade lusófona, um dos sonhos de Agostinho da Silva, contando-se entre as principais propostas do Movimento, a criação de um “Passaporte Lusófono”, um Banco e um canal de TV, para além da defesa de candidaturas independentes à Assembleia da República Portuguesa, como forma de revitalização da democracia.
Lisboa, 22 de Fevereiro de 2011
Liberal Online / Real Associação do Médio Tejo

LAÇOS DE FAMÍLIA: UM BOM REI

Revista Magazine Grande informação de Dezembro de 2006
(Clique nas imagens para ampliar)


terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

JUVENTUDE MONÁRQUICA DO PORTO

A Juventude Monárquica do Porto foi reformulada a 31 de Janeiro de 2011, em assembleia geral com a entrada de três novos vogais para a direcção da Real Associação do Porto, Mariana Cyrne Pacheco , João de Brito e Faro e António Baião Pinto. Contando ainda com a colaboração de outro associado Tomaz de Souza Falcão. A Juventude Monárquica do Porto é parte integrante e dependente da Real Associação do Porto, órgão regional da Causa Real do mesmo distrito.
A Juventude Monárquica do Porto tem como principal objectivo reunir os jovens portugueses em torno do ideal monárquico, independentemente da sua classe social ou ideologia política, pelo que convidamos a aderir, a participar e a nela se inscrever, todos aqueles que concordam com o nosso anunciado objectivo, a Restauração da Monarquia em Portugal!
A Juventude Monárquica do Porto é parte integrante e dependente da Real Associação do Porto, órgão regional da Causa Real no mesmo distrito. A Juventude Monárquica do Porto tem como principal objectivo reunir os jovens portugueses em torno do ideal monárquico, independentemente da sua classe social e ideologia política, pelo que convidamos a aderir, a participar e a nele se inscreverer todos aqueles que concordam com o nosso anunciado objectivo, a Restauração da Monarquia em Portugal!

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

BEATIFICAÇÃO DA «MÃE CLARA» A 21 DE MAIO DE 2011

Celebração no Estádio do Restelo vai ser preparada com iniciativas de divulgação da vida e obra desta religiosa portuguesa do século XIX.
A beatificação da irmã Maria Clara do Menino Jesus (1843-1899) vai ter lugar a 21 de Maio, no Estádio do Restelo, Lisboa, anunciou hoje a Congregação das Irmãs Franciscanas Hospitaleiras da Imaculada Conceição (CONFHIC), fundada pela futura beata. Segundo o comunicado oficial, “espera-se um significativo número de participantes, não só de Portugal, como delegações dos 14 países” onde se encontra a CONFHIC.
A irmã Fátima Martins, do Departamento de Comunicação do Secretariado que prepara a beatificação, revelou à Agência ECCLESIA que a escolha do Estádio do Restelo se fica a dever ao seu “espaço amplo”, no qual as pessoas “podem estar sentadas”.
O presidente da celebração ainda não é conhecido, mas a irmã Fátima Martins adianta duas hipóteses: “D. José Policarpo ou o prefeito da Congregação para as Causas dos Santos (Cardeal Angelo Amato)”.
«Maria Clara, um rosto de ternura e da misericórdia de Deus» é o slogan escolhido para a celebração, que vai ser preparada com “iniciativas de divulgação e formação” sobre a futura beata.
Nos próximos tempos será publicada uma obra sobre Madre Maria Clara e na celebração de 21 de Maio "será distribuído um opúsculo (30 a 40 páginas) sobre a vida e obra” da religiosa, precisa a irmã Fátima Martins.
O ritual da beatificação inclui a leitura da Carta Apostólica e a “chamada procissão das relíquias”, que neste caso será “um osso da Madre Maria Clara”.
O processo conheceu o seu ponto culminante quando, no dia 10 de Dezembro de 2010, Bento XVI assinou o Decreto de aprovação do milagre atribuído à intercessão da Irmã Maria Clara, relativo à cura de uma católica espanhola, Georgina Troncoso Monteagudo, afectada por um grave problema de pele.
Libânia do Carmo Galvão Meixa de Moura Telles e Albuquerque nasceu na Amadora, em Lisboa, a 15 de Junho de 1843.
Recebeu o hábito de Capuchinha, em 1869, escolhendo o nome de Irmã Maria Clara do Menino Jesus. A futura beata foi enviada a Calais, França, a 10 de Fevereiro de 1870, para fazer o noviciado, na intenção de fundar, depois, em Portugal, uma nova Congregação.
Abriu a primeira comunidade da CONFHIC em S. Patrício - Lisboa, no dia 3 de Maio de 1871 e, cinco anos depois, a 27 de Março de 1876, a Congregação é aprovada pela Santa Sé. A «Mãe Clara», como é popularmente conhecida, morreu em Lisboa, no dia 1 de Dezembro de 1899 e o processo de canonização viria a iniciar-se em 1995. Os seus restos mortais repousam na Cripta da Casa-Mãe da Congregação, em Linda-a-Pastora, onde “acorrem inúmeros devotos a implorar a sua intercessão junto de Deus”, diz Fátima Martins.
O milagre atribuído à religiosa ocorreu a 12 de Novembro de 2003, em Baiona (Espanha), numa “devota” que, em 1998, foi ao seu túmulo e pediu a cura de um pioderma gangrenoso (doença cutânea ulcerativa).
A CONFHIC adiante que Georgina Troncoso Monteagudo deve estar presente na beatificação da «Mãe Clara».
Esta religiosa do século XIX vai juntar-se, assim, a cinco portugueses beatificados nos últimos dez anos: os Pastorinhos Francisco e Jacinta, de Fátima (13 de Maio de 2000); Frei Bartolomeu dos Mártires (4 de Novembro de 2001); Alexandrina de Balasar (25 de Abril de 2004, no Vaticano) e Rita Amada de Jesus (28 de Maio de 2006, em Viseu). Também neste período foi beatificado o Imperador Carlos de Áustria (3 de Outubro de 2004), que faleceu no Funchal. A estas beatificações soma-se a canonização de Nuno Álvares Pereira, o Santo Condestável, que aconteceu a 26 de Abril de 2009, no Vaticano.
A beatificação, que antecede a canonização (declaração de santidade), é o rito através do qual a Igreja Católica propõe uma pessoa como modelo de vida e intercessor junto de Deus, ao mesmo tempo que autoriza o seu culto público, normalmente em âmbito restrito (diocese ou família religiosa).
LFS/OC

domingo, 20 de fevereiro de 2011

REMISE À LISBONNE D'UN MODÈLE DU CHEBEC MAROCAIN OFFERT AU MAROC PAR LA COMMISSION PORTUGAISE D'HISTOIRE MILITAIRE

Lisbonne- Une cérémonie de remise d'un modèle du chebec marocain offert par la Commission Portugaise d'histoire militaire à la commission marocaine d'histoire militaire a été organisée, jeudi soir, à Lisbonne.
Au cours de cette cérémonie qui s'est déroulée en présence de plusieurs personnalités portugaises, l'Ambassadeur du Maroc au Portugal, Mme Karima Benyaich, a souligné que le patrimoine commun maroco-portugais occupe une place particulière dans le cÂœur des Marocains et des Portugais et constitue la fierté des deux peuples.
La remise de ce modèle du chebec marocain destiné au musée militaire à Rabat est un autre exemple que Portugais et Marocains vivent encore cette inter-culturalité dans un climat d'amitié profonde, a souligné Mme Benyaich.
Ce modèle du chebec, navire marocain datant du 18ème siècle, rappelle que "le patrimoine maroco-portugais n'est pas fait uniquement de forteresses et d'églises, de traditions et de coutumes, de traces dans les deux langues et dans le culinaire, mais il est aussi constitué de ces moyens de communications et de défense, qui ont sillonné les mers et rappelé le poids et l'importance de nos pays, carrefours maritimes et creusets de tant de civilisations".
Après avoir rendu hommage à la longue et riche histoire qui, par-delà l'Atlantique, unit le Maroc et le Portugal et fait de ce voisinage un exemple d'entente, d'amitié et de respect mutuel, Mme Benyaich a indiqué que de "1415 à 1769, les deux peuples marocain et portugais se sont rendus compte de leur grandeur et des valeurs qu'ils ont en partage malgré les péripéties historiques".
La diplomate a, à cet égard, rappelé que les découvertes africaines avaient fait, de la navigation au quinzième siècle, le domaine de prédilection du Portugal, notant que dans ces prospections géographiques et économiques, le Maroc était en première ligne, et l'aventure indienne de Vasco de Gama, qui changea la face du monde, avait pour point de départ une multitude de rencontres maroco-portugaises qui ont laissé des traces à Sebta, Boujdour, Qsar Seghir, Assilah, Tanger, Safi, Mazagan, Essaouira.
Ce patrimoine commun venait en écho à un autre legs laissé des siècles auparavant, sur le sol portugais où des sites regorgent de trésors qui témoignent des relations fortes, entretenues au cours des siècles par les deux pays, a ajouté Mme Benyaich, notant que la remise de ce modèle rappelle " cette impérieuse nécessité de redonner à notre patrimoine culturel la place qui lui revient, c'est-à-dire un pivot, une jonction, un point de rencontre, d'ouverture, de dialogue et d'échange constructif ".
Pour sa part, le président de la commission Portugaise d'histoire militaire, le lieutenant général Alexandre de Sousa Pinto, a indiqué que le modèle du chebec marocain constitue un exemple d'amitié et un pas de plus vers le renforcement des relations d'amitié et de coopération qui unissent les deux commissions d'histoire militaire.
Tout en se félicitant de la qualité et de l'excellence des liens de coopération entre les deux institutions, il a formulé le souhait de les rafférmir davantage, ajoutant qu'une délégation de la commission portugaise d'histoire militaire se rendra prochainement au Maroc pour examiner les actions à entreprendre en vue d'intensifier davantage la coopération bilatérale.
Le chebec est un navire à voiles et à rames. Il est le survivant de navires latins et arabes beaucoup plus anciens.
Le chebec de 1785 est à 3 mâts et voiles, il a été utilisé pendant des siècles en Méditerranée en tant que navire marchand du fait de sa vitesse et de son faible tirant d'eau.
Les corsaires et les pirates méditerranéens en firent leur vaisseau de prédilection pour des attaques soudaines contre des navires marchands plus lourdement chargés.
Ont notamment pris part à cette cérémonie, SAR Dom Duarte de Bragança, Mme Elsa Pais, secrétaire d'Etat à l'égalité, le secrétaire général de la commission portugaise d'histoire militaire, le colonel José Ataide Banzol, Manuel Pechirra, président du Cercle d'amitié Portugal-Maroc, ainsi que plusieurs députés et personnalités du monde politique, économique et culturel. (MAP).
Agence Maghreb Arabe Presse, 18-02-2011

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

A PROPÓSITO DO "DISCURSO DO REI"

(Clique na imagem para ampliar)
Diário do Minho de 16-02-2011

À ESPERA DE SER PUBLICADO

«DOM JOÃO VI – COMO UM PRÍNCIPE VALENTE ENGANOU NAPOLEÃO E SALVOU O REINO DE PORTUGAL» nasceu da indignação de ver o meu país amesquinhado no livro «1808 – Como uma rainha louca, um príncipe medroso e uma corte corrupta enganaram Napoleão e mudaram a História de Portugal e do Brasil», da autoria do jornalista brasileiro Laurentino Gomes, numa edição da Dom Quixote (2008).
Uma vez mais, Portugal e os Portugueses foram expostos ao ridículo, publicamente. Mundialmente. Até porque o «1808» foi um best-seller. E esta não é a primeira vez que tal acontece, sob uma passividade, a abeirar a subserviência, de quem tem o dever de defender a Honra e a História do País.
Para mim, chega! Basta!
Portugal é um país territorialmente pequeno, mas não deve deixar que o amesquinhem deste modo tão acintoso, porque a sua alma é grande. A sua História está repleta de feitos e actos estóicos. Um povo deve celebrar os valores do seu país, mais do que deixar que o mundo grite as suas desvirtudes. Estas devem ser redimidas na intimidade da sua auto-estima. Por isso, tem o dever de repelir os mal-intencionados, direi mesmo, os ignorantes, que nada sabem da nossa História.
E porque tudo vale a pena quando a alma não é pequena (citando Fernando Pessoa), este é o meu contributo no sentido de resgatar o bom-nome de Portugal.
Todos os povos têm virtudes e defeitos. Portugal não foge à regra. Contudo, o maior defeito do povo Português é o de não acreditar nas suas virtudes, e apoucar-se perante os juízos menores que dele fazem os que desconhecem a grandeza do seu percurso histórico, e de como sempre conseguiu manter-se na corda bamba, sem nunca perder completamente o equilíbrio. E isso não é coisa pouca!
São essas virtudes que pretendo realçar nesta narrativa, além de recuperar a figura ímpar de D. João VI, que teve um papel preponderante na sua época, uma vez que se hoje somos um País livre e independente, a ele o devemos.
Isabel A. Ferreira
(Livro a aguardar publicação)
Real Associação da Beira Litoral

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

HENRIQUE DE PAIVA COUCEIRO: DOCUMENTO DA PROCLAMAÇÃO DA MONARQUIA DO NORTE

SOLDADOS!
Pelo seu valor e qualidades havía a tropa portugueza alcançado nome honroso e digno, affirmando-se, — hoje como hontem, — d' Angola a Moçambique, da Guiné ao Oriente, — herdeira legitima dos descubridores e dos conquistadores do mundo, que foram nossos avós!
E no serviço de cada dia, e n’essas arduas emprezas, atravez de mares longinquos e terras adversas, tinha a bandeira azul e branca sido o guia dos nossos passos, — o alento do nosso corpo, — o impeto das cargas a ferro duro, com que vinhamos accrescentando aos factos anteriores da nossa historia de bravuras, o brilho de novos louros!
Com os olhos fitos n’essa insignia consagrada, jogámos muitos de nós a vida e a saude; sofremos sem queixumes perigos, privações e cansaços; e, dentro dos seus braços amigos, grande numero dos nossos valorosos camaradas temos nós visto baixar á terra, varados por amor ás suas côres.
Para nós, Exercito, era Ella, portanto, não sómente o symbolo venerando da Patria, mas, ainda, a nossa fiel e inseparavel companheira de muitos annos d’esforços, sacrificios e trabalhos, mas, tambem, a nossa folha pessoal do livro de glorias, onde nós proprios, com a nossa alma e o nosso sangue, inscrevemos Marracuéne, e Mufllo, — Dembos e Magul, — Namarraes, Coelela, — e tantas outras aureas legendas da luminosa biographia nacional!Comtudo essa antiga bandeira, que era, ha nove mezes, a de um Exercito com tradições e união, disciplina e conceito por toda a parte do mundo, —prostraramn’a no solo, como se fôra velho trapo sem valia!
E no sólo jaz ainda; e, cahidas sob as suas dobras, tradições e união, disciplina e conceito geral, que eram o nosso timbre, a nossa força, e o nosso maior orgulho!
Levantemol-a, pois, soldados, a nossa velha bandeira, e eia avante! que Ella de cór já conhece o caminho da victoria!
Pela Patria Livre, soldados, eia avante!
Henrique de Paiva Couceiro
Retirado daqui 
Pequena curiosidade: o título duma entrevista de Henrique de Paiva Couceiro ao Diário de Lisboa em 27/11/1921. Facebook - Amigos de Henrique de Paiva Couceiro

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

VÍDEO: S.A.R., DOM DUARTE ENTREGA OS PRÉMIOS NO CASINO DA PÓVOA POR OCASIÃO DO INÍCIO DO "ANO DO COELHO"

A Liga dos Chineses em Portugal, presidida por Y Ping Chow, distinguiu Cao Bei com o Galardão Relações Interculturais, em cerimónia realizada no Casino da Póvoa na noite de 4 de Fevereiro, para celebrar a entrada no Ano do Coelho.
O prémio foi entregue por S.A.R., Dom Duarte de Bragança e Cao Bei partilhou o palco com personalidades como Afonso Camões, presidente do Conselho de Administração da agência Lusa.

domingo, 13 de fevereiro de 2011

O (RE)NASCER DE UM TEMPO NOVO

Depois de lembrar os 103 anos do Regicídio, e também de recordar a alocução do 5 de Outubro passado, em Guimarães, proferida por Sua Alteza Real o Senhor Dom Duarte, Duque de Bragança e Chefe da Casa Real Portuguesa, nosso muito querido e estimado Rei, entendo que é tempo recordar, os princípios do Projecto Democracia Real e o que me proponho fazer, não em concreto, mas já com ideias bem claras quanto ao futuro.
Tenho defendido, com este Projecto Monárquico, um regime moderno, contemporâneo, que é como quem diz, actual e com futuro, nunca esquecendo as raízes históricas do seu passado, mas também, e muito importante, não esquecendo estes 100 anos de república que o nosso povo tem vivido.
Não podemos fazer tábua rasa sobre os 100 anos da República. Seria a mesma coisa que a República fazer o povo esquecer a História da Monarquia Portuguesa, dos seus Reis e Povo e Heróis Nacionais.
De mesmo modo, não podemos fazer tábua rasa sobre os símbolos nacionais. O Hino Nacional foi dedicado à Família Real Portuguesa, antes de ser o Hino da República.
A Bandeira que é apresentada neste Blogue e no Canal no Youtube, representa, através das cores azul e branco, o Liberalismo e actualmente a própria Democracia e a Liberdade do Povo e do Estado. A Esfera Armilar, pois só pode representar não só o período Manuelino, mas também a perspectiva universalista de Portugal, graças às descobertas e sua respectiva herança. O Escudo com os Castelos, representa os esforços guerreiros para a consolidação da Pátria, as Quinas representam, tradicionalmente, as Chagas de Cristo e todos estes símbolos representam a Unidade Nacional. Os mesmos símbolos foram adoptados para a Bandeira da República Portuguesa, porque bem se sabia, e se sabe, da importância destes mesmos símbolos no contexto da História de Portugal. A Coroa, desde 1641, com a Graça de Deus, pertence a Nossa Senhora da Conceição, Rainha de Portugal. A Bandeira da futura Monarquia, na minha modesta opinião, não precisa de ter uma Coroa. Mas esta questão dos símbolos nacionais, não está em debate agora, nem tem sentido, mas faço questão de explicar o porquê de aparecer esta bandeira no presente Blogue.
Ser Proto-monárquico, é o que todos nós Monárquicos devemos ser. Devemos defender um regime realista, estar com os pés bem assentes no chão. Não defender fantasias e muito menos um passado que ficou na nossa memória colectiva, mas que não se enquadra no mundo em que vivemos, por muito que tenhamos pena. É a realidade e temos que a aceitar, sob pena de prejudicarmos a imagem da Monarquia quanto ao futuro junto da Nação.
Devemos olhar para as Monarquias Europeias. Estuda-las. Aprofundar conhecimento e ter propostas realistas para o nosso País.
Olhemos sobretudo para Países com a dimensão, seja ela demográfica seja geograficamente, semelhante a Portugal, tais como a Dinamarca, a Suécia, a Noruega, a Bélgica, os Países Baixos. E o que vemos?
Regimes Democráticos, parlamentares, cuja nota mais importante aqui trata-se da neutralidade do Rei e da transparência do sistema democrático junto do povo. Corrupção nesses Países. Não digo que não haja totalmente, mas os índices apontam claramente realidades muito pontuais.
Que mensagem transmitem essas Monarquias?
Uma mensagem de prosperidade. Uma mensagem de responsabilidade no presente quanto ao futuro. Uma preparação quanto ao futuro.
Alguns poderão se questionar: para quê, então, um Rei sem poderes praticamente nenhuns? O Rei da Suécia tem apenas e só o poder de representação do Estado Sueco. Não lhe é conferido nenhum poder de dissolução do parlamento, nem demissão do governo. Mas, está presente! E está presente, porque a História assim o determinou e porque o povo lhe deu a ele e à sua dinastia, em 1975, através de um referendo constitucional, condições para continuar, porque o povo se revê, na Família Real, no Rei e na Sucessão Dinástica. A neutralidade do Monarca permite obviamente, tratar todos os governantes da Suécia (como exemplo) por igual. O Rei não tem que assegurar o seu lugar, pois está assegurado. O Rei não tem que viver sob pressão eleitoral, porque o seu cargo é vitalício e está já com aprovação do povo. A sucessão dinástica garante, assim, a perenidade do Estado, da Democracia, e por estes, da Constituição que confere ao povo, os seus Direitos, Liberdades e Garantias.
Existe nas Monarquias Europeias Democráticas e Civilizadas, mais do que um Pacto Social: um Pacto Histórico; entre a Dinastia e o Povo.
O Rei de Espanha, nas vésperas da aprovação da Constituição de 1978 chegou a temer vir a ter exactamente os mesmos poderes que o Rei da Suécia. Mas se tal viesse a suceder, e estando ele plenamente convencido e consciente das vantagens da Instituição Real como garantia da Democracia para o Povo, ele teria aceite naturalmente. Pois teria sido a vontade de uma Assembleia Constituinte com legitimidade dada pelo povo espanhol, em assim o determinar.
Tendo em conta a realidade e a repercussão do regime republicano em Portugal e tendo em consideração a forte influência da esquerda no próprio Parlamento, creio que, não estaria muito longe de arriscar que havendo uma nova Monarquia em Portugal num futuro mais ou menos próximo, o Rei teria exactamente as mesmas funções que o Rei da Suécia. Seria um Parlamentarismo puro. O Rei seria, naturalmente, aclamado no Parlamento, jurando a Constituição e teria um papel, extremamente importante, aliás, de representação do Estado, com total neutralidade e independência.
Haveria, então, duas realidades bem distintas:
a) a Instituição Real;
b) as Instituições Democráticas.
Tal como na Suécia, não havendo sucessão directa ao Trono, deve ser nomeado um Regente pelo Parlamento, que será um membro do Parlamento, até que se encontre uma nova Dinastia ou que o Parlamento decida da mudança de regime para uma República. Isto está muito claro na Constituição Sueca.
A Suécia é uma Democracia Real pura. É exactamente isso que pretendo para Portugal, auferindo do meu direito de opinião:
Uma Instituição Real continuadora da Tradição Portuguesa, garantia da continuidade do País, representadora ao mais alto nível de Portugal, junto das Nações amigas e Instâncias Internacionais variadas.
E Instituições Democráticas sujeitas ao voto popular. Quero aqui frisar, que a própria Instituição Real, se tal for opinião da maioria do Parlamento, deve ser sujeita ao voto popular. Ao contrário da República, acho muito bem, que a Monarquia seja sujeita à vontade popular, pela via referendária, periodicamente. Acho saudável para qualquer Democracia que se preze e Portugal não pode fugir à regra.
É evidente que, a realidade política nacional é muito diferente da da Suécia. Só a nível de desenvolvimento, ainda temos que dar um salto qualitativo enorme.
Em quê que a Democracia Real pode ajudar?
Em primeiro lugar, podemos começar pelo mais fácil: poupar dinheiro aos contribuintes;
Em segundo lugar, sanear a vida pública. Resolver os problemas de corrupção que existem em Portugal e que enfraquecem o Estado;
Em terceiro lugar, dar lugar a políticas de desenvolvimento sustentável, em que se dê prioridade ao desenvolvimento humano.
Entre outras ideias.
Então mas para quê um Rei?
Precisamente, porque temos que ter respeito para com a nossa própria História e Identidade Nacional que muitos de nós Portugueses já esquecemos. Portugal nasceu com a Monarquia. Portugal afirmou-se com a Monarquia. O período mais alto da nossa História foi com a Monarquia.
Tivemos Reis incompetentes? É um facto que sim! Mas os que foram incompetentes, foram substituídos segundo as normas constitucionais da época. A Monarquia Portuguesa regia-se por princípios. Nenhum Rei incapaz conseguiu se manter no Trono sem a simpatia popular. Foi o povo que saiu às ruas clamando por Dom Afonso III, por Dom João I, por Dom Pedro II!
Foi também o povo que participou patrioticamente na construção do liberalismo em Portugal, ainda no tempo da Monarquia.
Cabe então ao povo, patrioticamente, uma vez mais, o dever de decidir que futuro quer para seus filhos e netos. Um regime que defraudou as expectativas dos nossos avós e bisavós, que viveram nestes 100 anos de república? Ou apostar num renascer de um tempo novo? Isto é, irmos buscar às raízes do nosso passado, uma fonte de inspiração, para recomeçar e ganharmos o futuro?
Deixo à sua consideração! Eu já escolhi! Quero um Rei! Mesmo que tenha as mesmas funções que o Rei da Suécia. Há mais vantagens do que se pensa. Portugal, acima de tudo, precisa de referências. Temos um Rei. Falta-nos instituições democráticas mais credíveis e justas. Não podemos continuar a perder tempo. É o Povo que perde. Somos todos nós!

sábado, 12 de fevereiro de 2011

O QUÊ QUE OS MONÁRQUICOS ESTÃO À ESPERA?

(...)«Com tanta abstenção, votos nulos, votos em branco e algumas candidaturas de circo, de que é que os monárquicos estão à espera para começar o trabalho de fundo a fim de se promover, de uma vez por todas, o necessário e sempre adiado referendo à República?». - Revista "Visão" de 03-02-2011.

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

JANTAR DEBATE: "CONVERSAS REAIS"

A Real Associação de Lisboa promove no próximo dia 2 de Março pelas 20h00 o 1º Jantar Debate “Conversas Reais” subordinado ao tema “Semi-presidencialismo à Portuguesa: funciona ou não?” que contará com a presença dos convidados especiais Pedro Lomba, docente universitário e colunista do ”Público” e Miguel Morgado, professor de Ciência Política na Universidade Católica de Lisboa.
O Jantar decorrerá em Lisboa no Restaurante Maritaca na Av. 24 de Julho, 68F (ao lado da discoteca Kapital), aberto a não sócios. Para mais informações contacte a Real Associação de Lisboa para:
Tel: 21 342 81 15 ou reserve desde já o seu lugar comodamente na nossa loja online.
Real Associação de Lisboa